Prêmio Pátria Voluntária 2020 é entregue a instituições vencedoras

Solenidade foi realizada por videoconferência e contou com a participação da presidente do conselho do Pátria Voluntária e do Ministro de Estado da Casa Civil

Foto: CarolinFoto: Carolina Antunes/PR

São dias intensos e de muito trabalho. Ser voluntário é além da dedicação, um ato de amor, respeito, compaixão, justiça e solidariedade. Por isso, a motivação para ajudar o próximo deve ser verdadeira, pois quando se é voluntário, assume-se um compromisso com o outro.

No dia 2 de junho, em Brasília (DF), um encontro virtual marcou a celebração do prêmio Pátria Voluntária 2020. Mesmo à distância, não faltou emoção: discursos com a voz embargada, lágrimas de reconhecimento, de felicidade e de superação. Cinco instituições foram premiadas, uma para cada região do Brasil. Seus representantes falaram em nome de todas as pessoas que trabalham em prol do próximo e que estendem as mãos e o coração aos mais vulneráveis. Defenderam também o trabalho voluntário, conclamando pessoas de bem para unirem-se a uma causa nacional: ser solidário.

A cerimônia do prêmio Pátria Voluntária 2020 reuniu apoiadores, entusiastas e autoridades que se renderam em admiração ao voluntariado. A presidente do Conselho do Pátria Voluntária, Michelle Bolsonaro, não escondeu o orgulho de vivenciar aquele momento. “Sei que vocês são impactados pelo que fazem para ajudar as suas comunidades. E para cada ação, para cada projeto, muitas outras pessoas são impactadas”, enfatizou.

Cada instituição recebeu o valor de R$ 50 mil reais pelo prêmio. O recurso, viabilizado pela Fundação Banco do Brasil, foi celebrado pelo presidente Asclepius Ramatiz. “Tenho certeza que esse é o primeiro de um grande programa de sucesso, de grandes prêmios, e nós vamos poder incentivar ainda mais o voluntariado", disse.

Para a Secretária-Executiva do Pátria Voluntária, Adriana Pinheiro, o reconhecimento a todas as instituições e pessoas que realizam trabalho voluntário é um incentivo para que não parem com a prática da solidariedade. "Observamos com cuidado e carinho a dedicação de todos nos projetos que conhecemos e analisamos. Isso é motivo de muito orgulho para nós: ver os voluntários proporcionando o bem ao próximo, ajudando aos mais necessitados, levando alegria, conforto e carinho para as pessoas. Por isso, parabéns a todos", comentou. A solenidade também foi prestigiada pelo Ministro de Estado da Casa Civil, Braga Netto, e  pelo Secretário-Executivo, Sérgio Pereira.

Por conta da pandemia de Covid-19, o evento não ocorreu da maneira prevista inicialmente, com uma visita dos vencedores à Capital Federal. No entanto, a previsão  do Pátria Voluntária é promover, ainda este ano, uma solenidade presencial no Palácio do Planalto com os representantes das instituições contempladas pelo Prêmio. 

Quando se pensa nas razões sobre a importância do trabalho voluntário ser tão significativa, é preciso entender que não se trata apenas dos impactos que isso pode causar na vida dos menos favorecidos, mas também no papel que essa atividade pode desempenhar na vida de quem pratica. Esse tipo de trabalho é capaz de tornar uma pessoa mais tolerante e empática.

Foto: Carolina Antunes/PR

INSTITUIÇÕES VENCEDORAS

O prêmio Pátria Voluntária 2020 foi lançado no Dia Internacional do Voluntário, celebrado em 5 de dezembro, e teve como objetivo o reconhecimento às iniciativas de trabalho voluntário desenvolvidas por organizações da sociedade civil, pelo setor público, empresarial ou por pessoas físicas. No total, 149 instituições se inscreveram no concurso. Foram escolhidos cinco vencedores, um de cada região do país.

Na categoria Centro-Oeste, a vencedora foi a instituição Projeto Ensinando a Abraçar, uma instituição atuante na cidade de Goiânia (GO) e região metropolitana, cujo projeto apresentado para a premiação tem como principal objetivo suprir a necessidade de mão-de-obra das instituições e criar a cultura do voluntariado.

Na categoria Nordeste, a vencedora foi a instituição Casa de Cultura Huguenote Daniel de La Touche, um museu, localizado na cidade de São Luis (MA), cujo projeto apresentado para a premiação tem como principal objetivo disseminar a história não oficial da fundação da cidade de São Luis (MA) na perspectiva da igreja evangélica protestante. O museu funciona por meio do trabalho voluntário de membros da igreja evangélica e realiza eventos culturais como palestras e espetáculos que demonstram aspectos da fundação de São Luis/MA por huguenotes.

Na categoria Sul, o vencedor foi o o Projeto Crescer e Semear, uma instituição sem fins lucrativos, sediada na cidade de Blumenau (SC), com atuação em Blumenau e Indaial, e que promove ações de disseminação de hábitos alimentares saudáveis para crianças de 4 a 15 anos em escolas públicas desses municípios.

Na categoria Norte, a vencedora foi a Associação Time Enactus UFPA, uma instituição sem fins lucrativos que desenvolve um negócio social dedicado a reduzir o fluxo de plástico nos rios urbanos da Amazônia por meio de tecnologias de baixo custo e sustentáveis. 

Na categoria Sudeste, a vencedora foi a Associação Amigos do Bem, uma instituição sem fins lucrativos que desenvolve ações no sertão nordestino, com a atuação de mais de 9000 voluntários. São trabalhados temas como educação, saúde e geração de renda. Especificamente na área de educação, pedagogos, educadores e inúmeros outros profissionais qualificados constroem o projeto pedagógico em povoados com pessoas de baixa renda e executam ações socioassistenciais diversas, garantindo educação de qualidade a 10 mil crianças e jovens.